Familiar

A vida adulta naquele apê vazio

Nos últimos dias me abstive das leituras do Shoe Dog, pois ando correndo com trabalho com reforma de apê que tenho no centro da cidade. Lá morei por alguns meses antes do outro ficar pronto e em meio a essas tardes solitárias no apê vazio, eu passo a entender um pouco da vida adulta, no que tange a moradia.

É incrível como fico idealizando todos os planos e projetos traçados por mim e pela Aline (minha namorada). Em cada visita a Tok Stok, Etna ou Leroy Merlin, eu imagino algumas coisas, como se minha cabeça fosse um aplicativo, no qual fosse possível colocar aquele objeto exatamente onde você está filmando, como o de paredes da Coral.

Refletindo em dias de apê vazio

A vida passar a fazer sentido e você só pensa naquele fim de domingo frio, estar na sua (que você nem sabe se será) futura casa, ao lado de quem você mais quer pertinho, fazendo um lanche e esperando a melancolia do domingo acabar, como o fim de um disco do Pink Floyd.

Visitar as lojas que citei acima deixa de ser uma brincadeira adolescente, onde você com sua garota passeiam para ficar mais tempo juntos, deitar e brincar de casinha, para algo mais adulto, onde de fato você passa a realizar, idealizar cada detalhe da sua casa.

Pra ser sincero? Eu nunca pensei que fosse escrever um texto falando isso, eu tampouco imaginei que eu ia pensar nisso… A maturidade é engraçada: ela vem e nos pega de uma forma que nunca imaginamos ser capturados, talvez como um Pokémon

Pô, deixa um comentário aqui...