Intelectual

Como lidar com o ímpeto de falar muito e ouvir pouco?

“Liberdade de expressão”: nunca antes na história da humanidade um termo foi tão gasto como este. Estamos na era em que há uma infinidade de informações ao alcance do nosso Buscar do Google.

O “Especialista de 2 meses”:

Junto a estes fatos, criou-se um fenômeno a que eu mesmo dei o nome de “Especialista de 2 meses”, é aquela pessoa que começou estudar algum determinado assunto, colheu pouco ou nenhum resultado daquilo que se propôs a fazer é então montou seu próprio “modo de fazer as coisas”. Tem canal no YouTube, Blog, Fanpage no Facebook.

Ok, não existe nada de ruim em fazer algo para que uma mensagem seja dada ao mundo, mas eu pergunto a vocês: qual o tipo de responsabilidade que você possui com seu público? E é aí que a maioria dessas pessoas peca e muito. Quando você passa um conteúdo inconclusivo é como o puxar do gatilho de uma arma, isso não volta mais. E se está fazendo de forma equivocada, criou uma rede de equívocos que podem causar problemas para outras pessoas.

Este é o principal problema de não dar o tempo certo para ouvir o bastante, o necessário para poder criar seu próprio método, com sua própria cara.

Isso desencadeia um segundo problema:

A Epidemia da Revoada de Papagaios

Parece um pouco trágico, não? Pois convido você a olhar um pouco mais de perto.

Já parou pra analisar que muitas pessoas de um determinado grupo tendem a repetir muito o que um ou dois “gurus” dizem? Sim, isso é um grande problema. Quando você passa a repetir o que os outros dizem, sem ao menos questionar a veracidade de um fato ou informação você tornou-se mais um papagaio. Este é um problema semelhante ao falar sem propriedade, você puxou um gatilho sem ao menos saber das consequências desse tiro. Mas o problema maior vem a seguir…

Quando você passa a repetir o que os outros dizem, quem assumiu o controle da sua identidade foi o outro. E quando você deixa de ser aquilo que você costuma ser você se torna incongruente. Tornando-se incongruente você não vai muito longe, e já provei com minha própria vida. Já quis ser Zig Ziglar, já quis ser Jim Rohn, já quis ser Anthony Robbins, mas tudo o que consegui foi me tornar o Vinícius frustrado.

Entenda, é importante que você se espelhe em alguém, que você tenha um mentor, um mestre ou como preferir chamar. Só não tente ser exatamente como ele, suas chances de sucesso vão reduzir vertiginosamente.

Eu também sou em muitos momentos daqueles que quer falar antes de ouvir, já cometi muitas gafes por agir desta maneira. Depois de muito tempo insistindo nos mesmos erros criei um pequeno método pra falar apenas quando tiver certeza, e são estes:

1. Exercite a escuta ativa:

Para a minha profissão que é o Coaching, esta é uma das habilidades primordiais pois envolve:

– Atenção total ao interlocutor: Um dos grandes problemas que eu tinha era não “estar” onde eu estava, escrevi isso inclusive aqui. Esteja 100% junto a quem você está se comunicando.

– Não Julgamento: Sim, eu julgo, é minha natureza e a sua também. Todos temos um pequeno ser vestindo toga dentro de nossas cabeças pronto pra bater o martelo. Só que é impossível, repito, impossível ajudar qualquer pessoa ou formar qualquer conceito quando você julga antes de receber todas as informações. O que fazer? Dê alguns “calmantes” para este julgador e ponha-se na posição de absorção de todos os conceitos, depois vários próximos passos. Elimine totalmente o “disso eu já sei” da sua vida.

2. Anote tudo:
Anotar tudo é um dos passos importantes para evitar o problema de dispersar sua atenção com outras coisas. As melhores ideias são aquelas colocadas no papel. Tenha sempre perto de si um caderno para anotar seu brainstorm.

3. Questione “ao inverso” para validar:
Tendo anotações em mãos, valide tudo aquilo que foi anotado, a internet está aí para isso. Bato novamente neste ponto para que você não erre em passar conceitos ou dados para frente sem ter a certeza que eles existem ou estão corretos. Não é porque um “especialista” disse algo a você que ele está 100% correto, por isso digo para questionar “ao inverso”. Esta é uma dica para que sua credibilidade não fique abalada.

4. Forme o seu conceito:
Este passo é como pegar um papel em branco e desenhar uma paisagem a partir da sua mente. Você tem os conceitos, tem imagens na sua mente, agora é hora de por a sua característica mais marcante no papel. Não a do Da Vinci, não a do Van Gogh. A SUA!

5. Aplique seu conceito e anote os resultados:
Aqui é como dar movimento, cor, animação ao passo anterior. Neste passo você aplica com você mesmo ou com alguns voluntários, para certificar-se que aquilo pode dar certo ou não vai causar problemas a ninguém, bem como fazer pequenos ajustes no percurso.

6. Faça a propagação:
O sexto e último passo é a propagação para o mundo das suas ideias. Você já ouviu o bastante, já testou o bastante, já certificou-se que funciona. Agora é a sua vez de voltar os holofotes para si e mostrar a que veio. Existe um porém neste tópico: Você ainda não estará imune às críticas. Não procure agradar a todos, porque você não vai… Mas até aqui você terá base para encantar uma grande parte do público que você deseja atingir.

Gostou das idéias? Se identifica com alguma delas?
Este texto fez você melhorar em algum aspecto?

Comente abaixo o que achou para que eu possa melhorar cada vez mais!

Pô, deixa um comentário aqui...