Intelectual

“Eu não sou seu guru”, de Anthony Robbins, disponível na Netflix

Chega hoje ao Netflix um dos documentários que talvez tenha maior ligação com o trabalho que desenvolvemos na Fábrica de Mentes, o trabalho de fazer as pessoas viverem melhor.

Só para que vocês entendam: Anthony Robbins dedica sua vida há mais de 25 anos a transformar o potencial das pessoas em resultado, resolver seus conflitos internos, mudar os padrões que lhes impede de serem o melhor delas mesmas. Já treinou pessoalmente pessoas como Nelson Mandela, Andre Agassi, Bill Clinton dentre outras centenas de celebridades e líderes pelo mundo.

Sua história envolve uma família problemática, escassez de dinheiro e bastante sofrimento. Quando ele decidiu mudar e é um dos lemas que fala no filme “sua vida inteira muda em um momento único”. Essa frase fala sobre decisão, sobre quando você decide não mais sofrer o que sofre e começa a pagar um preço para ter uma vida muito melhor porque você verdadeiramente quer tê-la.

guru

As pessoas que trabalham com Coaching e desenvolvimento pessoal o tem como um líder, um modelo a ser seguido, e em “Eu Não Sou Seu Guru”, nome dado a este documentário serve para desmistificar que ele, Robbins, é o grande responsável pelas mudanças que as pessoas experimentam em seus seminários.

Ele o credita totalmente aos recursos internos que cada um de nós possui.

O documentário se passa em um de seus eventos, o “Date With The Destiny” e tem logo na primeira cena Tony perguntando para um dos participantes: “Por que você queria se suicidar?”,  – uma pergunta impactante pra qualquer público, diga-se – dai já percebi que deste diálogo sairia muita emoção e muitas quebras de crenças.

Na resposta, o espectador diz: “Tem a ver com passar por pontos altos da vida, mas conseguir cair bem fundo, a ponto de não ver saída”. – e completa com sentimentos de fuga, ódio de si mesmo e por isso não ver outra saída.

Tony brinca com a cor dos seus sapatos que eram vermelhos, muito vermelhos, uma amostra de quebra daquele estado ruim que o rapaz trouxe à tona. Então explica pra ele que, admira que ele tenha padrões altos sobre si mesmo, mas que a ideia de “perfeição” está acabando com ele. Através da sua conversa, cada crença sobre o que levava este rapaz a querer suicidar-se é substituída por outra sobre como ele poderia ter prazer em ser quem é.

Durante as quase 2 horas de vídeo, temos casos diversos sendo resolvidos, sobre família, relacionamentos, abusos na infância, dentre outros.

 

guru3

“Eu não sou seu guru, eu não vim aqui para consertá-los porque vocês não estão quebrados e eu sei disso. Mesmo se acham que estão quebrados, eu lhes mostrarei que não estão.”

O Netflix acertou em cheio ao querer produzir este documentário que relata o dia-a-dia de Tony e sua equipe, atuando para promover um evento de qualidade para seu público.

Eu decidi deixar para que você tire suas próprias conclusões assistindo-o, independente de como você se encontra hoje. Alegre, triste, angustiado, esperançoso… Não importa. Eu só te prometo que você vai se emocionar muito, como eu me emocionei vendo as transformações daquelas pessoas acontecendo sob nossos olhos.

Eu quero que você seja mais feliz porque por um momento fui mais feliz ao dedicar meu tempo a absorver tudo o que foi passado ali.

Assista, pelo seu bem. Pela sua felicidade. As outras séries podem esperar.

Pô, deixa um comentário aqui...