Intelectual

Os rastros deixados pelo Cometa Halley

Santo André, quinta-feira, 6 de maio de 2016, 2:57AM

A cidade está apagada e o céu está aceso. Já há alguns dias venho me preparando para testemunhar o rastro brilhante deixado pela passagem do Cometa Halley. Segundo os meteorologistas, o pico de atividade da chuva de meteoros seria às 2:00AM do dia 6 de maio de 2016. A noite toda o céu permaneceu coberto por uma cortina de nuvens. Me agasalhei e fui para a varanda do meu quarto. Que decepção. Não havia uma brechinha se quer naquela imensidão toda. Pendurei a minha rede nos ganchos da parede, peguei o meu quebra-cabeças “cósmico” (uma lembrança da minha visita ao centro de pesquisas da NASA durante o meu Tour Empreendedor) e fiquei questionando muitas coisas: o frio, o vento, as nuvens, a lua, a cidade, as luzes, a minha localização, enfim, muitos MUITOS “por quês” passaram pela minha cabeça. Então, resolvi refletir sobre o presente, sobre o tempo em que esperamos ver a luz e tudo o que enxergamos é uma cortina cinza e as poucas vezes que nos revela algo, é a escuridão.

Eu estava visivelmente desapontada e, quando reconheci este sentimento, busquei ressignificá-lo com formas de aprendizado e oportunidade de autoconhecimento. Eis que, o vento desfez parte da cortina de nuvens e revelou uma pequena amostra do que estava escondido.

Foram segundos tão mágicos que as lágrimas foram inevitáveis e, em um piscar de olhos, o vento fez fechar aquela pequena janela aberta no céu. Mas já não importava! Fiquei TÃO feliz por ter visto talvez nem 1% do espetáculo natural, mas feliz! Muito feliz! Quando me dei conta, faltavam dez minutos para às duas da manhã e, como em um passe de mágica, novas janelas se abriram no céu. O vento soprava forte e o frio cortava o meu rosto (já fresco de lágrimas), mas a alegria em saber que as possibilidades de acompanhar este espetáculo cresceram naquele segundo fez com que ascendesse uma chama dentro de mim, a chama da esperança.

Sim, a mágica foi um sucesso e o céu estava celebrando! Na busca pelo melhor ângulo, me contorcia e até fiquei de ponta-cabeça. A vontade era de sair voando! Pegar carona na cauda de um cometa e ver a via láctea, uma estrada tão bonita – como canta o grupo Balão Mágico. E era isso mesmo! Em alguns momentos tinha que me concentrar para que as lágrimas não distorcessem a realidade que viam os meus olhos. Foi grandioso, foi belo, foi natural,foi especial, foi emocionante.

Quase uma hora se passou e o sorriso ainda estava no meu rosto. O céu estava limpo, sem nuvens, uma verdadeira janela aberta para o jardim do universo! Eram tantas estrelas que eu só conseguia agradecer por poder testemunhar tamanha grandeza mesmo estando na cidade. A melhor forma de descrever o que eu vi acontecer no céu, é comparando à “corrida” de gotas na janela de um carro em movimento em um dia de chuva.

Fiquei mais um tempo admirando e registrando aquele momento na minha memória, até que eu entendi o recado.

Muitas vezes as condições parecem adversas. Nos frustramos, nos decepcionamos, questionamos os fatos, repensamos os nossos sonhos e, muitas vezes até desistimos. Mas, se aprendermos a escutar, haverá uma Voz que irá te dizer o que fazer mesmo quando você estiver dizendo para si mesmo fazer o contrário. Escute à Voz. Levante a cabeça e olhe ao seu redor. Os primeiros sinais serão enviados. Enxergue-os. Aproveite-os. Reabasteça o gás que irá reacender a chama da esperança. Repare. Tudo se ajeita. O tempo que estava encoberto agora está aberto. Aproveite o espetáculo. Sinta. Reflita. Aprenda. Seja a sua nova versão melhorada. Siga em frente. Sonhando, acreditando e realizando.

Uma mensagem de amor e de esperança.

Com muito carinho,
Nina

Pô, deixa um comentário aqui...