Do leitor

Entre Crises

Todos passamos por crises. Elas veem de várias formas, nos fazendo nos perguntar sobre nossas decisões pessoais, familiares, financeiras, profissionais. Quem nunca se pegou pensando:

“Será que isso é realmente o que gosto?”
“Será que isso está valendo a pena?”
“Eu teria orgulho do que me tornei?”

Meu aniversário foi a pouco tempo, coloquei todas as minhas conquistas no papel e me perguntei “Eu consegui tudo o que queria?”. Confesso que sou uma pessoa que vive entre picos de euforia e tristeza, algo muito maior do que posso controlar, mas que hoje me traz uma compreensão muito maior da vida.

Aos 18, pensava que minha maior conquista seria passar em uma faculdade federal, dar orgulho a minha família. Sinceramente não ligava se estivesse com alguém ao meu lado, simplesmente faria qualquer coisa para alcançar meu objetivo.

Com o passar dos anos, quebrei a cara. Muitas vezes.
Não passei na faculdade que queria, não fui motivo de orgulho acadêmico para meus pais. Eu simplesmente engoli todo aquele orgulho adolescente e me coloquei para trabalhar em algo que não imaginava. Aos 22 passei por uma situação que me fez enxergar que alcançar seus objetivos não é tão importante se você não tem respeito para os outros. Vi uma vendedora sendo tratada mal e não deixei quieto. Decidi que sempre que visse algo do tipo, ajudaria a quem precisasse.

Mas reconheço, se essa situação tivesse acontecido aos meus 18, provavelmente não ligaria, faria de conta que não teria visto e continuaria a vida normalmente.
Hoje, com 26, vivo entre crises. Crises de risos e crises de choro. Tenho um pouco daquele orgulho de antes, sim, não nego, mas vejo que o eu de 15 anos teria muito orgulho e admiração ao que me tornei.

Crises nem sempre são ruins, elas nos mostram o que e quem realmente importa na nossa vida. E às vezes elas podem ser resolvidas com um abraço ou um texto largado por aí.

Pô, deixa um comentário aqui...